"E, nos murmúrios do vento, vão-se os meus silêncios"" (Sonya Azevedo)

 

domingo, 12 de junho de 2016

Pastor de Palavras



Assim, numa relva branca de poema,
Eu pastoreio as muitas palavras,
Enquanto minhas mãos, a lira, lavra,
No alto campo, um sonho em alfazemas.

Tento, em verdes folhas, ver os grafemas
Que, de tão miúdos, se vão pela relva...
Presos ao tronco, floreiam, tais madressilvas
Que o vento carrega, os tristes fonemas.

E como uma revoada de andorinhas,
Largam o campo e por sobre as vinhas,
Anuviam os sonhos, seguem ao azul mar.

Mas, em seu tempo, irão retornar
E, ao poeta, palavras irão falar
Que, em canção, as fará, às pastorinhas.

Sonya Azevedo
My Visitors