"E, nos murmúrios do vento, vão-se os meus silêncios"" (Sonya Azevedo)

 

sábado, 7 de abril de 2018

Dança Comigo



Vem, toma as minhas mãos,
Envolve-me em teus braços,
Enleva-me aos espaços
Onde está a ilusão.

Deixa pulsar a emoção
Dos corpos em seus enlaços,
Do átimo e seus retraços
Levados ao coração.

Vem, vem e dança comigo,
Que este momento eu persigo
Na dança que é o meu sonho.

Vem, vem e dança comigo
Faz do seu corpo, o meu abrigo
Ao êxtase que eu exponho.

Vem, vem e dança comigo...

Sonya Azevedo


Soneto Estrambote


Pincéis do Amor



No tardio apagar da prataria
Em sonhos que inda estão a navegar
Tu me vens com o teu sereno ondear
Tal um artista a pincelar o dia.

E fazes do meu corpo a tua arte!
Orvalha-me a pele com o sal do amor.
Por toda a tela manuseias a cor,
Deixas que a maresia faça a sua parte.

Ao meu esboço, vais criando a vida
Inoculando-me o puro sentir
E fazendo-me, assim, bem atrevida!

E ao alisar-me co'as sedas do pincel
Trazendo-me as sensações do porvir,
Conduzes-me, por tuas mãos, ao meu céu!

Sonya Azevedo

sexta-feira, 9 de março de 2018

Esse Amor



Ah! Esse amor tão delicado,
Dias se faz tão complicado
Que é difícil entender!

Dias acorda irritado,
Dias é só beijo soprado
E dias é tanto querer!

Dias, de tudo, está cansado,
Até parece entediado
Com o novo alvorecer.

E à noite vem tão abrasado
Ansiando beijos molhados 
E o mais que se suceder...

Quando esse amor é pensado,
Vaivém de maré é lembrado,
O ir e vir de enlouquecer.

Mas, em toda essa loucura,
Sempre há o sabor de ternura
Que o faz permanecer.

Sonya Azevedo

My Visitors